Minas programam?

Quando pensamos no perfil de uma pessoa da área de exatas e tecnologia, quase sempre visualizamos um homem. Não há campos de atuação onde as mulheres estejam livres de machismo, mas no mercado de TI o predomínio masculino é latente. Esse predomínio tende a ser naturalizado culturalmente, de forma que pensemos que homens são biologicamente mais aptos para programar e mulheres mais adequadas a relações interpessoais. Mas, como é sabido, mulheres não são naturalmente inferiores aos homens em nenhuma função. Tais inferioridades (ou supostas aptidões) são construídas socialmente e limitam o escopo de atuação da mulher desde seu desenvolvimento na infância. Mães e pais não sonham que suas filhas se tornem programadoras, tampouco as meninas encontram muitas referências femininas nas áreas de exatas.

Assim, a falta de estímulo e de referências não gera motivação e acaba por compor o quadro de ausência de mulheres na tecnologia.

como vemos:

  • Dos 1.683 engenheiros da computação formados em 2010, apenas 161 eram mulheres, segundo o Inep. 9,5%
  • Dos 7.339 formados em ciências da computação no mesmo ano, 1091 eram programadoras. 14.8%
  • Em 2015, de um total de 330 ingressantes dos cursos de Computação da USP, apenas 38 eram mulheres. 11.5%
  • Dos 300 mil profissionais registrados no CREA-SP (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia de SP), apenas 49 mil são mulheres. 16.3%
  • A participação das mulheres na ciência da computação caiu de quase 37%, em meados dos anos 80, para 17% atualmente. 20%

A quantidade de mulheres nas ciências, tecnologia, engenharia e matemática afeta diretamente a maneira com que as mulheres e suas ideias são representadas. Enquanto o número de mulheres que sabe programar continuar tão pequeno, mais difícil será garantir a inclusão das nossas pautas na produção.
Então, pensando em como a programação pode ter um papel importante para o empoderamento feminino, surgiu o #MinasProgramam. O projeto vem para ajudar a desconstruir a noção de que os homens são mais aptos a programar. E vamos fazer isso empoderando mulheres, técnica e politicamente! A ideia é promover um espaço de formação básica para mulheres que queiram saber mais sobre programação, mas não sabem por onde começar.

Nós já contamos com apoiadoras incríveis, conheça!

Fale conosco!

Acompanhe nas redes e apoie usando a hashtag #minasprogramam!

#minasprogramam